terça-feira, 25 de setembro de 2007

Protocolo de Kyoto precisa de revisão que inclua países emergentes, opina pesquisadora

O Protocolo de Kyoto tem de ser reformulado para incluir metas de emissão de gás carbônico para os países emergentes, que também estão poluindo cada vez mais. A avaliação é da professora e pesquisadora Juliana Ramalho, do Laboratório de Climatologia da UnB - Universidade de Brasília.

Em entrevista na segunda-feira (24) ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, a pesquisadora afirmou que o protocolo, que estabelece um cronograma de redução no lançamento de gás carbônico para os países desenvolvidos até 2012, corre o risco de se tornar sem função caso não inclua determinados países emergentes. “De alguns anos para cá, vários países em desenvolvimento entraram para a lista dos maiores poluidores”, destacou.

“Embora seja válido, o Protocolo de Kyoto não está sendo levado a sério e várias metas não estão sendo cumpridas”, advertiu Juliana. Segundo ela, não adianta mais os países emergentes esperarem as nações desenvolvidas tomarem posição e tentarem se enquadrar às metas. “Todo mundo agora precisa agir”, aconselha.

Apesar de ter 45% da matriz energética originada de fontes renováveis, atualmente o Brasil ocupa o quarto posto entre os países emissores de gás carbônico, com 1 bilhão de toneladas lançadas por ano. No caso brasileiro,no entanto, o problema não está nos veículos nem nas indústrias, já que 75% das emissões vêm das queimadas e derrubadas de árvores.

O país emergente que mais aumentou o grau de poluição foi a China. Segundo estudo divulgado em abril pela OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, o país asiático atualmente lança 4,7 bilhões de toneladas de gás carbônico por ano e está na segunda posição entre os países poluidores, perdendo apenas para os Estados Unidos, com 5,8 bilhões de toneladas.

Em terceiro lugar na lista dos emissores de gás carbônico, está a União Européia, com 3,8 bilhões de toneladas anuais. O bloco econômico, no entanto, conseguiu estabilizar as emissões na última década.

Em relação aos países emergentes, a professora da UnB afirma ainda que o problema não é apenas ambiental. Para ela, o combate à poluição nas nações em desenvolvimento também passa por ações sociais. “As pessoas mais desfavorecidas, que não têm água potável e esgoto, e muitas vezes dependem de lixões para se sustentar, não estão preocupadas com o meio ambiente, mas com a sobrevivência”, ressaltou. “Antes de tudo, é necessário melhorar o padrão de vida dessas pessoas.”

As mudanças climáticas foram tema de uma reunião em Nova York promovida pela ONU - Organização das Nações Unidas. O encontro, convocado pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, reuniu representantes de 150 países para discutir o aquecimento global.

Segundo o relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, em inglês), divulgado em fevereiro, se a emissão de gases poluentes seguir no ritmo atual, até 2100, a temperatura média na Terra aumentará entre 1,8 e quatro graus. Essa elevação é suficiente para causar derretimento de geleiras, aumento do nível do mar e intensos furacões.
(Agência Brasil)

Nenhum comentário: